segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Tá difícil, George

Esse cabeludo está aí outra vez para tentar me dar o recado, canta no meu ouvido e me apoia em seu ombro, doce como só ele... eu te prometi muitas coisas e ainda as cumpro, querido, hei de cumpri-las. Não sinta que cantou tudo isso à toa, não, sabe bem o quanto aprendi com você.
É difícil confiar tanta sensação a alguém, e acabo fazendo isso da pior maneira possível, confundindo valor com vontade e merecimento com hora certa... é uma bagunça, você está cansado de saber.
Mas meu muro vai cair, espera só; mais dia ou menos dia ele cai! E quando vier abaixo sei que poderei olhar para o lado e ver você lá, sorrindo e jogando tudo na minha cara... do jeito mais lindo que sabe fazer.
Então eu vou baixar os olhos, como sempre faço nessas horas, o sorriso esboçado nos lábios. Sou tão boba, querido...

Veremos!

PS: sim, eu falo com meus ídolos mortos.

Um comentário: